A admiração de Ronaldo Fraga virou exposição que viaja pelo Brasil.
Visitantes têm a sensação de passear pelas diferentes faces do rio.

Cia de Bordados de Entremontes

Em Entremontes, localidade do município de Piranhas em Alagoas, à margem do rio São Francisco, um grande número de mulheres detém a arte do bordado redendê e do ponto-cruz. Habilidade herdada de suas mães e avós, a atividade do bordado está tão presente na vida da comunidade quanto o desafio de seus maridos, pais e filhos de recolher do São Francisco o sustento do dia-a-dia. Com linha, agulha, bastidores e tesourinhas, as mulheres de Entremontes vão compondo nos tecidos, ponto a ponto, desenhos a partir das duas técnicas de bordado mais difundidas na região: o Redendê e o Ponto de Marca (também conhecido como ponto de cruz).

O estilista Ronaldo Fraga fez uma visita a Entremontes, pequeno povoado da cidade de Piranhas, em Alagoas. “Ao ouvir as histórias, eu vou à história do início da colonização do rio São Francisco, quando os portugueses morriam de medo de sair desbravando qualquer rio. Eles mandavam subir os barcos com os cristãos novos; com os judeus, que vinham de Portugal; com os negros e os índios. Muito do que se vê da estética, da história, da cultura, do bordado, da culinária vêm dessa mistura dessas três raças”, explica.

Alcineide Maria Silva Cruz, uma das bordadeiras de Entremontes, e que já participou de projetos feitos pelo ARTESOL, como o I Fórum Latino-Americano de Artesãos pelo Comércio Justo em São Paulo, que aconteceu em 2010, fala do bordado redendê, e do aprendizado que foi herdado de sua mãe e avó.

O trabalho feito pela Associação Companhia de Bordados de Entremontes, sem dúvida alguma, é um trabalho de um significado especial, além de trazer um sentimento de pertencimento ao grupo, a produção do bordado proporciona a melhoria da qualidade de vida das artesãs e suas famílias, gerando trabalho e renda, e é um elemento de valorização de toda a comunidade.

Bordado

Ronaldo Fraga quando pensou na exposição, gostaria que os visitantes tivessem a sensação que estariam passando pelos diferentes pontos do rio. É o rio São Francisco da festa e da devoção, do gosto e do cheiro dos mercados, da vista dos vapores e dos caixeiros viajantes. É o rio São Francisco político, representado por um vídeo maravilhoso, feito pelo Wagner Moura, que tem uma história íntima ligada ao rio São Francisco”, justifica.

Ronaldo Fraga imaginou apresentar o rio da literatura, dos vestidos que as pessoas pudessem abraçar e com um sensor que faça com que elas ouçam Maria Bethânia, a quem ele considera a outra voz do Velho Chico, declamando Carlos Drummond de Andrade. “É o poema Águas e Mágoas do São Francisco, que foi escrito em 77 e que quando é lido, se diz que foi escrito agora”, explica.

Na carranca dos rimeiros
Memória de outras carrancas
Há muito peças de living
Nas tortas margens que o homem não soube retificar
Não soube ou não quis
Paciência

“É uma sensação muito cara de pertencimento. Desde o início, o que eu procurava era estimular uma apropriação das histórias do rio e da alma do rio, que foi o que meu pai despertou em mim. O retorno que eu tenho recebido de todos os brasileiros de todos os cantos desse país é emocionante. A minha intenção é que essa exposição possa ser doada para uma cidade ribeirinha e, quem sabe, sirva como um ponto de partida para a construção de um memorial ao rio São Francisco, que nós ainda não temos”, planeja Fraga.

Veja o vídeo na íntegra, clique aqui.

Para saber sobre a exposição que aconteceu em São Paulo, entre no site: saofranciscoronaldofraga.com.br

Fonte: Programa Ação / Rede Globo

2 Comentários para "Estilista Ronaldo Fraga mostra o bordado redendê de Entremontes, no Programa Ação"

  1. Pingback: Exposição de Ronaldo Fraga, que celebra o “Velho Chico” chega ao Rio de Janeiro.: ArteSol – Artesanato Solidário

  2. Pingback: Exposição de Ronaldo Fraga, que celebra o “Velho Chico” chega ao Rio de Janeiro.: ArteSol – Artesanato Solidário

Comentários não são permitidos.

Como Apoiar?

×