A partir do dia 12 de agosto até o dia 30 de setembro de 2010, o público da cidade de Salvador vai apreciar de perto a história, os saberes culturais e a diversidade artística das artesãs e das peças de cerâmica produzidas no município de Irará, localizado no interior do estado da Bahia.

No acervo, mais de 330 peças, com destaque para os típicos potes, panelas e caborés, apresentam o traçado peculiar dos artesãos de comunidades rurais de Irará. Hoje, a cidade conta apenas com 23 ceramistas tradicionais, responsáveis pela preservação da legítima arte cerâmica que remonta ao século 19.

A mostra traz ainda, num espaço à parte, no mezanino, artefatos em cestaria e trançado e em retalho, criados a partir do aproveitamento do cipó. Ao todo, a Sala do Artista Popular envolve 45 artesãos, representando quatro comunidades.

A cerâmica de Irará

A cerâmica de Irará está tradicionalmente voltada para atender às necessidades da população regional, integrando o inventário dos bens domésticos de guarda, preparo e consumo de alimentos. Geração após geração, o saber tecnológico vem aperfeiçoando forma e dimensão, definindo um repertório básico de exemplares como aribé ou tacho, pote, caboré, engana-gato, prato, caqueiro, cuscuzeiro, fogareiro, frigideira, moringa, panela, porrão, travessa, sopeira e trempe.

Apegados a sua tradição, os ceramistas de Irará mantêm as mesmas técnicas de produção dos seus antepassados. Modificam apenas o estilo de algumas peças, adequando-as ao mercado. A arte de estocar o barro, pisar, transformar em pasta, modelar a peça e deixá-la secar ao sol implica conhecimento especializado sobre os diferentes tipos de barro, suas qualidades e potencialidades para esse emprego. Muitas vezes é necessário misturar barros diversos para se obter uma boa liga, o que só o olhar treinado e o tato apurado são capazes de perceber. Assim como o barro, coleta-se também o tauá, pigmento vermelho de origem mineral, encontrado nos barrancos de beira de estrada, utilizado como engobo das peças.

A realização é do Programa de Promoção do Artesanato de Tradição Cultural (Promoart) e do Programa Mais Cultura, vinculados ao Ministério da Cultura, Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular (CNFCP) e Associação Cultural de Amigos do Museu de Folclore Edison Carneiro (Acamufec). A exposição é conjunta ainda com o Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural do Estado da Bahia (IPAC), órgão da Secretaria de Cultura da Bahia (SecultBA). A parceria institucional e apoio financeiro é do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Saiba mais sobre a cerâmica de Irará aqui e confira o projeto realizado pelo Artesol nesta comunidade aqui.

SERVIÇO

SAP – Sala do Artista Popular “Potes e caborés: cerâmica de Irará”
Inauguração: 12.08.2010 às 17h
Período: 12.08 a 30.09.2010
Onde: Galeria Mestre Abdias – Mauá Pelourinho. Rua Gregório de Matos, 27, Centro Histórico
Exposição e venda: segunda a sexta, das 9h às 17h
Acesso Gratuito

Fonte: Governo do Estado da Bahia e Secretaria de Cultura do Estado da Bahia

Como Apoiar?

×