A ArteSol convida você para aproveitar as atividades oferecidas em setembro pelo Sesc Santana no projeto: “Residência Lá e Cá – o artesanato tradicional no espaço urbano”

Dia 16, terça-feira

14h às 18h: Oficina Rendas e Bordados do Brasil

Renda Irlandesa com Elizabeth Raimundo dos Santos, Sergipe e Renda Renascença com Maria das Dores Ramos Silva, Alagoas

19h: Rendas e Bordados do Brasil

Bate-papo com  Elizabeth Raimundo dos Santos, de Sergipe, rendeira de Irlandesa e Maria das Dores Ramos Silva, de Alagoas, rendeira de Renascença.

Mediador: Antonio Augusto Arantes PhD em Antropologia Social (University of Cambridge) . Consultor de políticas culturais, em especial sobre temas relativos ao patrimônio cultural e cultura popular.

Dia 18, quinta-feira

14h às 18h: Oficina Rendas e Bordados do Brasil

Renda de Bilro com Conceição de Maria Silva de Lima, Piauí e Bordado Bainha Aberta com de Aldenora de Oliveira Costa e Germina Rodrigues da Costa Leal, Piauí

19h: Rendas e Bordados do Brasil

Bate-papo com Conceição de Maria Silva de Lima, Piauí, rendeira de Bilro e Aldenora de Oliveira Costa e Germina Rodrigues da Costa Leal, Piauí, bordadeiras de Bainha Aberta.

Mediadora: Giselle Marques Leite – Museóloga, desenvolve trabalhos de organização, implantação e revitalização de museus, documentação de acervos, organização e montagem de exposições, produção cultural.

Dias 20 e 21, sábado e domingo

14h:  Oficina da boneca Esperança (Quiosque)

Artesã convidada: Núbia Cristina da Costa Alírio

Boneca Esperança

Núbia é presidente da Associação dos Artesãos de Riacho Fundo, no município de Esperança,  aprendeu a fazer a tradicional boneca de pano ainda criança.  Em 2000, um grupo de mulheres da comunidade criou a associação que até hoje, trabalha no ofício, preservando esse saber fazer.  A associação participa de feiras e eventos para divulgar e comercializar seus produtos. As bonecas de Esperança ficaram mundialmente famosas depois que os designers irmãos Campana criaram a cadeira Multidão.

A técnica artesanal tradicional dominada por todas as artesãs foi aprendida quando elas eram crianças e é mantida até hoje. O que mudou foi a introdução de novos modelos para a coleção de produtos. Inicialmente, haviam apenas bonecas loiras ou morenas. Atualmente existem modelos ruivos, que carregam acessórios (brincos, bolsas, chapéus), com modelos e estilos diversos de vestidos. As bonecas são feitas tentando retratar as características das pessoas próximas aos artesãos. As matérias-primas utilizadas são: algodão alvejado, retalhos de tecidos, chita e fios. As ferramentas utilizadas são agulha, tesouras e máquinas de costurar.

 

Dia 23, terça-feira

14h às 18h: Oficina Rendas e Bordados do Brasil

Bordado Rendendê com Ane Beatriz de Oliveira Rodrigues, Rosileide Oliveira Lisboa, Alagoas e Bordado Livre com Ana Gloria dos Santos Costa, Paraíba

19h: Rendas e Bordados do Brasil

Bate-papo com Ane Beatriz de Oliveira Rodrigues e Rosileide Oliveira Lisboa, Alagoas, bordadeiras Rendendê e Ana Gloria dos Santos Costa, Paraíba, bordadeira de Bordado Livre.

Mediador: Marco Antonio Andreoli – designer têxtil, professor em cursos de graduação em Moda. Proprietário da In Totum Comunicações ,com atuação no desenvolvimento de Design Social.

 

Dia 25, quinta-feira

14h às 18h: Oficina Rendas e Bordados do Brasil

Bordado Boa Noite com Rejanea Souza Rodrigues, Alagoas e Renda Filé com Wbiranilda da Silva, Alagoas

19h: Rendas e Bordados do Brasil

Bate-papo com Rejanea Souza Rodrigues, Alagoas, bordadeira de Boa Noite e Wbiranilda da Silva, Alagoas, sobre Renda Filé.

Mediação: Josiane Masson – coordenadora executiva da Artesol. Gestora de projetos sociais na área de arte e cultura e produtora cultural.

 

Dias 27 e 28, sábado e domingo

14h:  Oficina de brinquedos tradicionais do Recife

Artesãos convidados: mestres José Antonio da Silva (Saúba) e José Francisco de Lima ( Lima )

Mestre Saúba vive no município de Jaboatão dos Guararapes e Mestre Lima em Recife, Pernambuco. Trabalham com materiais orgânicos disponíveis, sobras de retalhos, barro, madeira, refugos da indústria e mantém viva a cultura tradição dos brinquedos populares, como aviões, carrinhos, os pandeiros rói rói, mané gostoso, bola de meia, cinco marias, hoje em dia encontrados em mercados regionais do nordeste. Diante do mundo tecnológico em que vivemos, o brinquedos populares tornam-se uma viagem no tempo e encantam adultos e crianças pela sua simplicidade e pela capacidade de estimular a imaginação. Os brinquedos misturam criatividade e tradição folclórica e são únicos, cada um com uma feição e um colorido próprio, dependendo das mãos que o criam. Ambos se preocupam com o repasse do “saber fazer” e a salvaguarda dessa identidade local.

 

Curso “Economia Criativa, Designer e Produção” | Quartas e sextas, 15h às 18h | Sala de Múltiplo Uso III.

Dia 17 Gestão da Produção (participação das rendeiras  Elizabeth Raimundo e Dorinha Ramos).

Dia 19 Gestão empreendedora.

Dia 24 Gestão empreendedora (participação da bordadeira Ana Glória dos Santos).

Dia 26 Comércio justo e precificação.

Capacitadoras

Renata Mendes Designer, pós graduada em Gestão da Inovação. Desde 2002 atua em projetos de impacto social, econômico e cultural, utilizando processos de design para criação de soluções a partir das adversidades e dos recursos locais, que possam ser ferramentas de transformação social. Atuou na Associação Mundaréu e em consultorias para Natura, universidades como o Istituto Europeo di Design – IED São Paulo e unidades do SEBRAE em diversos Estados. Atualmente, atua na incubadora SBCSol, como técnica responsável por estruturar empreendimentos da Economia Criativa.

Andressa Trivelli, bacharel em Administração de empresas pela PUC-SP e mestranda em administração de empresas pela FGV-EAESP, já atuou nos três setores da economia com planejamento estratégico e gestão de projetos. Lidera a gestão da Tekoha, um negócio social que de 2007 até 2012 dedicou-se a comercialização do artesanato brasileiro de diversas comunidades. Atuou por dois anos na AIESEC, organização internacional que promove o desenvolvimento de lideranças entre jovens.  É professora do SENAC e consultora na área de marketing e gestão de vendas em empresas de pequeno e médio porte.

 

SESC SANTANA

SERVIÇO: Residência Lá e Cá – o artesanato tradicional no espaço urbano

Livre para todos os públicos. Grátis. Vagas limitadas.

Av. Luiz Dumont Villares, 579 – Jd. São Paulo. Tel.: (11) 2971-8700
Estacionamento – R$ 7,00 período do espetáculo (desconto de 50% para matriculados no Sesc).
Para informações sobre outras programações ligue 0800-118220 ou acesse o portal www.sescsp.org.br

Leia mais:

Inscrições abertas: Economia Criativa, Design e Produção Artesanal

Brinquedos, rendas e bordados tradicionais no Sesc Santana

Residência Lá e Cá – o artesanato tradicional no espaço urbano

Como Apoiar?

×