Cuias de Santarém na IV Bienal Brasileira de Design. Fotos: Eduardo Camilo.

A 4ª Bienal Brasileira de Design esse ano acontece em Belo Horizonte, MG, e traz o tema “Diversidade Brasileira”. O ArteSol marca presença na exposição através do projeto realizado entre 2010 e 2011 com o grupo Asarisan – Associação das Artesãs Ribeirinhas de Santarém que teve  como foco incentivar o turismo local, bem como repensar com o grupo a inovação no artesanato das cuias sem perder a tradicionalidade.

 A importância de tal projeto no contexto da Bienal Brasileira de Design está vinculada à sua mostra principal, de curadoria de Maria Helena Estrada, denominada “Da Mão à Máquina“.  A mostra visa apresentar um panorama da produção nacional referente ao artesanato, design e projetos híbridos entre ambos, com uma expografia que segue linearmente o nome da exposição: inicia-se com projetos artesanais e manuais, e termina com produtos eminentemente industriais, como geladeiras e cadeiras injetadas seriadamente.

 Nas palavras da curadora na ocasião da abertura da exposição, o artesanato brasileiro apresenta a leveza, alegria e espírito brasileiro. O Design, por sua vez, diferentemente do que aconteceu no último século quando os aspectos estéticos eram preponderantes, agora chama à atenção pela utilidade, inovação e importância ambiental. Sua relação com o artesanato se faz pelas características de produção local, pois, ainda segundo Maria Helena, é preciso primeiramente olhar para o local antes de atingir o global, pois é o que é local que o global almeja comercializar.

Maria Helena Estrada, Curadora Geral e Eduardo Camilo, Consultor ArteSol.

 A exposição, assim, é rica na apresentação dessas relações. Destes trabalhos unicamente artesanais até mesclas conceituais de cadeiras projetadas para execução serializada manual – como enxergo o trabalho de Sergio Rodrigues – passando também por objetos cujo projeto apoia-se no acaso do material, como um sofá construído de gravetos assimétricos, temos assim um panorama bastante amplo disso que a curadora entende por artesanato, artesanato+design e design.

 O projeto feito com a Asarisan entra justamente nessa mescla entre design e artesanato, pois leva em conta a precisão e serialização de produção, bem como a incorporação do conceito de família de cuias, antes não aproveitado pelas artesãs. Respeita, ainda, a tradição de séculos da prática, tanto do modo de produção dos objetos, quanto no uso de grafismos que fazem sentido às artesãs e seu contexto local, incentivando assim não a cópia de padrões pelo simples fator histórico, mas sim a constante reinterpretação da tradição, como é própria de toda dinâmica efetivamente cultural.

Ficamos muito felizes com a relevância de tal projeto para o contexto brasileiro do design, e também para o próprio ambiente da associação das artesãs da Asarisan. Mais sobre o Projeto Turismo de Base Comunitária e a Associação pode ser encontrado no site:http://airacuias.blogspot.com.br/ .

Vídeo da IV Bienal Brasileira de Design

Texto: Eduardo Camilo

Eduardo é Consultor ArteSol e atuou no Projeto Turismo de Base Comunitária entre 2010 e 2011.

O ArteSol e o Ministério do Turismo desenvolveram junto à Associação de Artesãs Ribeirinhas de Santarém – Asarisan o projeto de turismo de base comunitária associado à produção artesanal na comunidade de Aritapera, município de Santarém/PA, com o objetivo de fomentar esse segmento do turismo e promover sua inserção na economia de mercado com base nos princípios de economia solidária.

Para saber mais sobre a Bienal acesse aqui: Bienal Brasileira de Design

Como Apoiar?

×