9. Promoção do Comércio Justo

Sabemos que nem todos os compradores ou clientes entendem ou reconhecem o pagamento do preço justo ao artesão, não é? Então, é preciso dizer: cada um que faz parte do Comércio Justo precisa ser porta-voz de sua própria organização e dos princípios do Comércio Justo, pois com a sua divulgação, mais pessoas conhecerão seu significado e sua importância para o comércio em geral. Fortalecer  o movimento do comércio justo é conscientizar a sociedade de que as regras e práticas do comércio precisam mudar para que todos possam ser beneficiados.

Para isso, cada um dos envolvidos com o Comércio Justo tem um papel. Aos produtores, cabe o fornecimento de informação ao consumidor sobre os objetivos do movimento, a origem dos produtos ou serviços e a estrutura do preço. Os intermediários devem promover atividades de sensibilização e campanhas junto aos consumidores (para realçar o impacto das suas decisões de compra) e junto das organizações (para provocar mudanças nas regras e práticas do comércio internacional). Já os consumidores podem envolver seu círculo social na proposta do Comércio Justo ao estimularem compras solidárias e indicarem pontos de venda adeptos ao movimento.

A Associação dos Artesãos de Massaranduba/RN (ARTMAR) participa de eventos relacionados ao artesanato e à Economia Solidária tanto no Brasil quanto no exterior. A ARTMAR já esteve presente em seminários na Bolívia e na Espanha divulgando seu trabalho e sua tradição.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Como Apoiar?

×