Glória de Goitá/PE

Com quase 40 anos de um saber-fazer caído no esquecimento, a produção do mamulengo ressurgiu como expressão da identidade local e possibilidade de trabalho e renda em Glória do Goitá/PE. Ao longo de dois anos, o Artesanato Solidário/ArteSol e a rede de parceiros envolvidos no projeto recuperaram o que Glória de Goitá sempre foi: “A Cidade do Mamulengo”.

Tema: Entalhe em Madeira - 2002-2003

Cidade: Glória do Goitá/PE

Duração: 1 ano

Artesãos Beneficiados: 44

Gênero: mulheres e homens

“Do ponto de vista da tradição, aprender com os mestres significa a única alternativa para que o saber tradicional seja preservado e repassado. No que diz respeito à produção artesanal, os mamulengos se impõem por sua expressividade plástica, resultando em peças únicas no mercado artesanal brasileiro. A inserção desses produtos, além de possibilitar a geração de renda para mestres e aprendizes, assegura a continuidade da tradição, estimula os mestres no exercício de seu ofício e, por fim, contribui para a identificação de novos talentos.”

Fernando Augusto Gonçalves

Com quase 40 anos de um saber-fazer caído no esquecimento, a produção do mamulengo ressurgiu como expressão da identidade local e possibilidade de trabalho e renda em Glória do Goitá/PE. Ao longo de dois anos, o Artesanato Solidário/ArteSol e a rede de parceiros envolvidos no projeto recuperaram o que Glória de Goitá sempre foi: “A Cidade do Mamulengo”.

O mamulengo – símbolo do patrimônio cultural pernambucano e brasileiro – tem origem nos presépios mecanizados do final do século XVII. Gradativamente, os mamulengos deixaram o campo do sagrado e ganharam o mundo profano, as ruas, sendo logo reconhecidos como parte do repertório da sabedoria e história popular brasileira.

Até meados da década de 60, o espetáculo dos bonecos era parte integrante das grandes festas públicas e, claro, contribuiu para dar visibilidade à cultura pernambucana no cenário nacional. Contudo, no final dos anos 60 e início dos 70, a tradição plástica e cênica do mamulengo entrou em fase de decadência.

Para a revitalização da atividade, Glória do Goitá tem como centro de atividades e base de apoio o mestre Zé Lopes, um dos mais conhecidos dentre os mestres mamulengueiros, e o mestre Zé Divina. Através de oficinas de repasse de saber organizadas pelo Artesanato Solidário/ArteSol, o brinquedo do mamulengo está sendo preservado e ao mesmo tempo transmitido aos mais jovens. Hoje eles estão organizados na Associação dos Mamulengueiros e Artesãos de Glória do Goitá e se reúnem no Memorial do Mamulengo para a fabricação dos bonecos, bem como para divulgar esse saber-fazer.

Parceiro Financiador: