Goiaberas/ES

Goiabeiras Velha, bairro antigo na parte continental norte de Vitória, é local de residência e trabalho das paneleiras e dos artesãos, sendo conhecido desde a década de 1980 por conta do ofício praticado. Suas casas e o galpão de sua associação ficam à beira do canal que banha o manguezal. O barreiro, de onde sempre foi extraída a argila para produção das panelas, se localiza no Vale do Mulembá, na Ilha de Vitória. Ícone da identidade cultura do Espírito Santo, e nacionalmente conhecidas, as panelas de barro de Goiabeiras são produzidas conforme antiga tradição indígena. São essenciais no preparo e na apresentação de pratos típicos capixabas, como a moqueca de peixe e frutos do mar e a torta capixaba.

Tema: Cerâmica - 2005-2007

Cidade: Goiabeiras

Duração: 3 anos

Artesãos Beneficiados: 63

Gênero: a maioria mulheres

Goiabeiras Velha, bairro antigo na parte continental norte de Vitória, é local de residência e trabalho das paneleiras e dos artesãos, sendo conhecido desde a década de 1980 por conta do ofício praticado. Suas casas e o galpão de sua associação ficam à beira do canal que banha o manguezal. O barreiro, de onde sempre foi extraída a argila para produção das panelas, se localiza no Vale do Mulembá, na Ilha de Vitória.

Ícone da identidade cultura do Espírito Santo, e nacionalmente conhecidas, as panelas de barro de Goiabeiras são produzidas conforme antiga tradição indígena. São essenciais no preparo e na apresentação de pratos típicos capixabas, como a moqueca de peixe e frutos do mar e a torta capixaba.

A fabricação artesanal de panelas de barro é o ofício das paneleiras de Goiabeiras, uma atividade predominantemente feminina e familiar. É um saber repassado de mãe para filha há várias gerações. As ceramistas usam uma técnica de origem indígena, caracterizada pela modelagem manual, queima a céu aberto e impermeabilização com a tintura de tanino.

Tradicionalmente, a produção das panelas utiliza matérias-primas provenientes do meio natural: a argila do Vale do Mulembá, de boa plasticidade e bastante arenosa, confere à peça maior resistência ao calor e ao impacto; e a casca da planta mangue vermelho, coletada no manguezal, com a qual se faz a tintura de tanino. Os dois principais instrumentos do ofício – a cuia e a vassourinha de muxinga – são feitos a partir de espécies vegetais encontradas na região.

Em 2002, o IPHAN – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – inscreveu o Ofício das Paneleiras de Goiabeiras no Livro de Registro dos Saberes, reconhecendo essa atividade tradicional como Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil.

O Artesanato Solidário/ArteSol se junta ao IPHAN no projeto de salvaguarda desse bem.

“Salvaguardar um bem cultural de natureza imaterial é apoiar sua continuidade de modo sustentável. É atuar no sentido da melhoria das condições sociais e materiais de transmissão e reprodução que possibilitam sua existência” (Fonte: www.iphan.gov.br)

A panela de barro de Goiabeiras tem longa durabilidade e requer um “batismo” antes de ser usada pela primeira vez. Use óleo de cozinha para untar toda a parte interna da panela. Leve-a ao fogo e deixe queimar todo o óleo. Deixe a panela esfriar e lave-a. Está pronta para ser usada.

Parceiro Financiador: