Jequitinhona/MG

Tecelagem - 2015

Artesãs da Associação Ari Ari mostrando os produtos desenvolvidos pela Associação Ari Ari durante o Projeto Cultura Sustentável no Jequitinhonha. Crédito: Jô Masson | ArteSol.

Cidade:

Jequitinhonha

Duração:

1 ano

Artesãos Beneficiados:

16

Parceiro Financiador:

Gênero:

Mulheres

 

Histórico*:

A Associação dos Artesãos do Guarani Ari Ari foi fundada em 2005 a partir do incentivo do Padre Dom Geraldo, oriundo de Diamantina para Jequitinhonha, conhecedor da tecelagem de Berilo e da família da artesã Marlice que havia recentemente mudado de Berilo para Guaranilândia. O padre utilizou recursos italianos para adquirir um terreno de 4 hectares e posteriormente mais 10 hectares para o plantio de algodão e uma máquina descaroçar o algodão produzido. O algodão descaroçado era enviado a Francisco Badaró para ser fiado – transformado em linha e os novelos (meadas) retornavam para tingimento e tecelagem. Foram edificados ainda dois galpões e área de serviços que juntamente com os equipamentos estão sob a guarda da Associação Comunitária de Guaranilândia, entidade parceria da Associação Ari Ari.

Após a saída do padre da cidade, a ação de manejo do algodão foi encerrada pelos produtores locais, impactando a produção artesanal. As artesãs mantiveram o propósito da ação coletiva, mesmo sem acompanhamento para seus processos de gestão, produção e comercialização. Durante os 10 primeiros anos de atuação, a associação contou com diversos projetos e tem a Prefeitura Municipal de Jequitinhonha como uma parceira constante e demandada pelo grupo.

Com o estímulo do Padre Geraldo e os cursos ministrados pela artesã Marlice para o repasse das técnicas de tecelagem aprendidas e praticadas por sua família em Berilo, o grupo foi formado e vem atuando desde então. A mobilização do grupo mantém-se firme graças ao desejo das artesãs em manter viva essa tradição e pelo espirito empreendedor de importantes lideranças locais.

Projeto:

As ações executadas por ArteSol e Raízes Desenvolvimento Sustentável integraram o Projeto Cultura Sustentável no Jequitinhonha, realizado em 2015, com o objetivo de revitalizar a associação, a produção têxtil local e agregar a fibra de bananeira à tecelagem feita até então com os fios de algodão.

Foram diagnosticadas dificuldades em diversas frentes, como aquisição de matéria-prima, participação efetiva dos associados, aprimoramento e inovação dos produtos, divulgação e comercialização. Levando em conta estes itens, as organizações desenvolveram conjuntamente com o grupo um plano estratégico contemplando ações como: aquisição de matéria prima para a tecelagem (fios de algodão), manejo da fibra de bananeira, capacitações para melhorias dos processos de governança da Associação, elaboração de um plano de desenvolvimento institucional com uma visão de futuro. Também foi realizado o desenvolvimento de uma nova linha de produtos com a inclusão da fibra de bananeira e aprendizados no que diz respeito ao design, às cores e à utilidade das peças.

O projeto renovou os ânimos do grupo e ofereceu novas perspectivas de futuro  com vistas a geração de renda  e inclusão produtiva das mulheres, além de contribuir com o fortalecimento da identidade cultural local.

É importante destacar que, embora o trabalho realizado tenha sido significativo, o apoio a esse grupo ainda é necessário para a consolidação de qualidades empreendedoras, que não foram possíveis no âmbito desse projeto por limitações de tempo e recursos.

*com informações de IABS.

Execução: ArteSol, Raízes DS, Universidade de Girona e S. Talk.