Associação dos artesãos de Sagarana (Central Veredas)

Localização Rua Vinte e Cinco, Quadra 40, Lote 28 - Pic Sagarana/MG - CEP 38686-000
Contatos AbrirFechar

Utilize o formulário abaixo para entrar em contato com este membro da Rede Artesol.

Enviando mensagem. Por favor aguarde.
Sua mensagem foi enviada! Aguarde o retorno do membro da rede contactado, ou fale com a Artesol.
Infelizmente ocorreu um erro no envio da sua mensagem. Por favor utilize uma das formas de contato abaixo.
E-mail vendascentralveredas@hotmail.com
Telefone 38 99889-4484
Contato Monique

As mãos que criam, criam o que?

Foto: Caio Ramalho

"O homem tem partes mágicas... São as mãos... Eu sei."

Guimarães Rosa (livro “Sagarana”).

As fiandeiras fiam o algodão, formando grandes novelos que são tingidos com corantes naturais, como a casca do murici, cebola e jatobá, folha de manga, o baru, eucalipto, entre outros. O tingimento é realizado no município de Uruana, por uma Associação parceira, e retorna a Sagarana, onde o algodão passa por mais duas etapas: a tecelagem e o arremate. Ao final de todo esse processo, é possível, por exemplo, se abrigar com xales e estolas, ou embelezar a casa com as mantas para sofá.

Onde criam?

Sagarana, distrito do município de Arinos-MG, é o primeiro assentamento da reforma agrária de Minas Gerais, e o segundo do Brasil, tendo nascido em 1970. A escolha do nome da comunidade não poderia ter tido melhor inspiração: a obra de Guimarães Rosa, “Sagarana”. A maior parte dos assentados era da zona rural de Arinos e dos municípios vizinhos, e, em geral, tinham a atividade agrícola como principal fonte de trabalho. Hoje, Sagarana possui uma população de cerca 500 pessoas que vive, principalmente, da atividade leiteira,  da agricultura familiar e da extração de frutos do cerrado, como o baru e o pequi. Na comunidade também circulam saberes e ofícios tradicionais, como a benzeção, a lida campesina dos vaqueiros, a arte culinária das quitandeiras e doceiras, a fiação e a tecelagem.

Localizada no vale do Urucuia, o rio do amor de águas verdes, como os olhos de Diadorim, personagem de outra obra de Guimarães Rosa, Sertão: Veredas, Sagarana é cercada ainda pelos ribeirões Boi Preto, Marques e da Ilha. O cerrado, a mata seca e as veredas são os grandes protagonistas do cenário paisagístico da região, sertão do noroeste mineiro, que trazem aos sertanejos importantes possibilidades de sustento, como os buritis, palmeira típica das áreas de vereda. As veredas são um subsistema do bioma de cerrado, cuja principal característica é a presença de água que formam caminhos aquosos em meio ao solo pantanoso.

Muitas veredas têm desaparecido com o aumento do desmatamento e o uso abusivo da água pelo agronegócio, o que tem impactado, por exemplo, o plantio do algodão crioulo, do qual viviam várias famílias. O incentivo, nesse sentido, ao artesanato na região como possibilidade econômica, estimula a produção do algodão, e também levanta a urgência de um debate responsável em torno do agronegócio, e de medidas mais eficazes para o controle ambiental da região.

Quem cria?

“Eu chamava as cumadi pra juntá, pra fazer o mutirão, porque ali naquele mutirão fiava aquele tanto de linha… as pessoas fiavam cantando!” Gersina, poeta e artesã de Sagarana.
 

No contexto de crise hídrica, em que os cenários de pobreza e dificuldades se aprofundam, as mulheres desempenham um papel fundamental, principalmente na criação de possibilidades socio-econômicas, estruturadas a partir da parceria, do trabalho conjunto e dos laços de solidariedade.

A Associação dos Artesãos de Sagarana “Tecelagem das Veredas” foi fundada em 2003 e integra cerca de 5 mulheres que trabalham com fiação, tecelagem e bordado. O grupo se formou a partir do desejo de perpetuar a arte tradicional de fiar e tecer nos teares manuais, e hoje conta com um espaço onde trabalham juntas. O cotidiano das fiandeiras é ritmado e ritualizado pelos cantos de trabalho e pelas pausas para as danças que fortalecem os laços culturais e tradicionais da fiação e da tecelagem. A percepção da relevância desse modo de trabalhar e produzir, provocou a realização do evento cultural “Mutirão das Fiandeiras” que reúne artesãs para apresentações culturais, exposição de produtos e vendas. Hoje o mutirão integra o Festival anual Sagarana.

A Associação de Artesãos de Sagarana/Arinos integra a Central Veredas, organizada em Rede Solidária compreende outros 9 núcleos de produção instalados nos municípios de Arinos, Natalândia, Bonfinópolis, Buritis, Riachinho, Sagarana/Arinos, Uruana de Minas Urucuia e Barra do Pequi. Com a participação solidária de artesãos, constituiu parcerias para consolidar a sua estrutura e fortalecer os núcleos, garantindo-lhes acesso ao mercado, qualificação, aplicação de preços justos, divulgação dos produtos artesanais, fruto do trabalho de aproximadamente 146 associados, exercendo sua defesa socioeconômica e ambiental combatendo os trabalhos escravo e infantil e promovendo a igualdade de gênero.

 

Saiba mais:

Fonseca, Rosemere Freire Em Cada Vereda uma Memória: Assentados no Sertão de Sagarana em Arinos - Minas Gerais. (dissertação em Ciências Políticas) Universidade Federal de Santa Catarina, 2015.

Video: O som da rua.

Vídeo Central Veredas

 
Localização
Técnica relacionada