Camede – Associação de Artesanato Mestre Dezinho

Localização Rua Paissandu, 1276, loja 20, centro - Teresina/PI - CEP 64001-120
Contatos AbrirFechar

Utilize o formulário abaixo para entrar em contato com este membro da Rede Artesol.

Enviando mensagem. Por favor aguarde.
Sua mensagem foi enviada! Aguarde o retorno do membro da rede contactado, ou fale com a Artesol.
Infelizmente ocorreu um erro no envio da sua mensagem. Por favor utilize uma das formas de contato abaixo.
E-mail artesanato.pi@hotmail.com
Telefone (86) 3221-5734 / (86) 98884-0102
Contato Santana Maria Oliveira

As mãos que criam, criam o que?

Acendi uma vela à minha santinha,
lhe deixei uma rosinha
e um copo de água pra mode ela ficar
bem feliz em seu altar
Fiz minha oração de todo dia
pedindo por toda a família!
Sorri e lhe cantei um refrão,
daqueles que fazem até crescer o coração!
Raquel Lara Rezende

Com a técnica do entalhe em madeira, os artesãos e artistas populares de Teresina imprimem na madeira a imagem de diversos santos, anjos, arcanjos, apóstolos, Nossas Senhoras, entre muitos outros. A diversidade de figuras representativas das religiosidades populares brasileiras ganha expressão na Arte Santeira, muito presente no Brasil, de forma geral.

Essa manifestação artístico-religiosa nasceu da prática dos ex-votos, uma abreviação latina do termo “ex-voto suscepto” que significa "o voto realizado". Diante do pedido atendido, muitos cumprem a promessa feita ao santo ao qual foi direcionada a oração.
Alguns fazem pinturas, estatuetas e outros objetos em agradecimento à graça concedida. Seja nos altares domésticos, nos rituais religiosos, nos templos, procissões ou festas religiosas, as imagens produzidas pelos artesãos ex-votos, ou não, e artistas populares estão presentes. A arte santeira se trata, assim, de uma prática religiosa e cultural muito significativa para o Patrimônio Cultural brasileiro, já sendo reconhecida como Patrimônio Cultural do Piauí.

Onde criam?

Capital do Estado do Piauí, Teresina é a única capital do Nordeste que não se encontra no litoral. A 366 km do Oceano Atlântico, a origem da cidade está ligada ao Rio Poti que deu nome à Vila Nova do Poti, fundada em 1852. Não muito tempo depois, a Vila foi escolhida para ser a capital do estado do Piauí, sendo, assim, primeira capital planejada do país. Construída em traçado geométrico, as ruas foram desenhadas, pelo então presidente da Província Conselheiro José Antônio Saraiva, em linhas paralelas, dispostas de forma simétrica, formando pontes simbólicas que ligam o Rio Parnaíba ao Poti. Localizada na margem direita do Rio Parnaíba, a antiga Vila passou a se chamar Teresina para homenagear a Imperatriz Teresa Cristina, esposa de Dom Pedro II. Teresina é testemunha da união dos rios, Poti e Parnaíba, que acontece na Zona Norte da cidade, no Parque Ambiental Encontro dos Rios. Por se encontrar bem dentro da bacia hidrográfica do Rio Parnaíba, a capital piauiense é conhecida por muitos como Mesopotâmia do Nordeste. Foi também, ainda, batizada como “Cidade Verde”, pelo escritor maranhense Coelho Neto, por suas ruas e avenidas entremeadas por árvores. Além de conceder um tom poético à cidade que desfruta da beleza das matas de cocais e das florestas estacionais, os rios foram, na verdade, o principal elemento para a sua fundação e desenvolvimento que se deu pela possibilidade da navegação fluvial. Apesar de sua importância para a formação socio-econômica e cultural de Teresina e seus habitantes, os rios têm sofrido com o descuido generalizado. Já quase sem matas ciliares que protegem seus cursos, os rios se encontram assoreados e sobrecarregados pelo lançamento de substâncias poluentes e dos esgotos domésticos.

Quem cria?


Mestre Dezinho, ou José Alves de Oliveira, nascido em 1916 na cidade de Valença, fazia, desde crianças, com suas faquinhas e canivetes miniaturas em madeira. Trabalhou na plantação de mandioca do pai, foi marceneiro e viveu grande parte da sua vida como mestre carpinteiro. Aos 45 anos, mudou-se com sua família para Teresina, onde passou a trabalhar como vigilante na pracinha do bairro Vermelha,
onde estava sendo construída a Igreja Nossa Senhora de Lourdes. O Padre Francisco, que ficava nessa Igreja, logo se encantou pelos ex-votos feitos por Dezinho e pediu a ele que fizesse o Cristo do altar-mor e a padroeira. O artesão que nunca tinha feito peças inteiras, estimulado pelo Padre, aceitou o pedido, e esse foi o começo do estabelecimento de um estilo piauiense de arte santeira que hoje é reconhecido como marca da cultura do estado. As técnicas se aprimoraram com o tempo, e os artesãos e artistas ganharam mais manejo com as ferramentas e habilidade com a madeira. Mestre Dezinho inaugurou uma arte com estética própria que passou a ser referência para vários outros artistas que o acompanham já há quatro gerações.

A cooperativa foi fundada pelo mestre Dezinho em 2000, surgindo da necessidade de proporcionar maior estrutura ao grupo de artesãos e artistas populares, oferecendo maiores condições de comercialização dos produtos. Foi possível, também, organizar oficinas comunitárias para repassar a técnica da arte santeira, estimulando o interesse e o gosto por esse saber-fazer que atravessa os séculos da História brasileira. Integram a CAMEDE, cerca de 130 artesãos que contam com uma loja, onde vendem suas peças.

Saiba mais:

Dissertação: “Arte Santeira do Piauí: Entalhando Imaginários”, de Katiuscy da Rocha
Lopes, Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – 2014. 

Enciclopédia - Ex-voto

Onde Comprar

Projeto Terra

Ponto Solidário

Leite na Pista

Xapuri

Localização
Técnica relacionada