Grupo Bordadeira de Taguatinga

Localização KNC 14 casa, 06 Taguatinga Norte - Táguatinga/DF - CEP 72115-908
Contatos AbrirFechar

Utilize o formulário abaixo para entrar em contato com este membro da Rede Artesol.

Enviando mensagem. Por favor aguarde.
Sua mensagem foi enviada! Aguarde o retorno do membro da rede contactado, ou fale com a Artesol.
Infelizmente ocorreu um erro no envio da sua mensagem. Por favor utilize uma das formas de contato abaixo.
E-mail bordadeiras@hotmail.com
Telefone (61) 9.8516-7843 / 3562-3849
Contato Dirce Maria

 

As mãos que criam, criam o que?

“Sou feita de retalhos. Pedacinhos coloridos de cada vida que passa pela minha e que vou costurando na alma. Nem sempre bonitos, nem sempre felizes, mas me acrescentam e me fazem ser quem eu sou.

Em cada encontro, em cada contato, vou ficando maior. Em cada retalho, uma vida, uma lição, um carinho, uma saudade…que me tornam mais pessoa, mais humano, mais completo”.

Trecho de “Ou feita de retalhos”, de Cora Coralina.

Inspiradas nas cores e nos diversos desenhos das flores e dos pássaros do cerrado, as artesãs bordam almofadas, roupas de cama, sachês perfumados, toalhas entre outros produtos. O universo dos bichos endêmicos, os ipês, buritis e quaresmeiras ganham vida através da técnica do "bordado da vovó” e seus vários tipos de ponto. O desenho das peças foi desenvolvido através de um projeto de capacitação do Sebrae com o designer Renato Imbroisi. 

Onde criam?

Em um folheto anônimo publicado em 1822, a ideia de uma futura cidade chamada “Brasília” aparece pela primeira vez. A partir daí muitos projetos foram pensados e defendidos com entusiasmo por aqueles que acreditavam na importância de promover maior ocupação do interior brasileiro. Mas apenas em meados do século XX, Brasília ganharia forma, sendo construída no Governo de Juscelino Kubitschek. O presidente foi e ainda é aclamado por muitos, por sua coragem e audácia ao concretizar a nova capital do Brasil, com plano urbanístico de Lúcio Costa, orientação de Oscar Niemeyer e o trabalho duro dos candangos, nome dado aos migrantes brasileiros vindos de todos os cantos do país.

Motivo de grande orgulho e admiração para alguns e alvo de críticas para outros, a cidade de Brasília passou por um processo histórico complexo que a tornou um espaço urbano marcado por contradições e por profunda desigualdade. Além de se constituir, enquanto capital federal, o centro político do país, sendo palco de importantes decisões e da intervenção dos movimentos sociais.

A construção de Brasília foi um importante marco para o projeto de desenvolvimento e integração do país que seguia o modelo de urbanização defendido pela modernidade. Nesse sentido, a cidade foi idealizada com duas cidades satélites, ou cidades dormitórios, que abrigariam os trabalhadores migrantes. Dessa forma, Brasília poderia passar uma imagem de cidade limpa e organizada. Entretanto, a migração foi muito maior que o esperado, surgindo várias outras cidades satélites para abrigar as pessoas que chegavam em busca de trabalho.

Taguatinga é uma dessas cidades satélites planejadas, nascida em 1958, chamada inicialmente de Vila Sarah Kubitscheck, nas terras que pertenciam à fazenda Taguatinga, afastada cerca de 20 km a Oeste do Plano Piloto. O planejamento inicial da cidade satélite, entretanto era insuficiente e cidade logo se estabeleceu com pouca estrutura. Taguatinga é uma palavra tupi-guarani, “tuia-tungá” que significa “barro branco”, muito presente na região.

Quem cria?

Associação das Bordadeiras de Taquatinga Flor do Ipê foi criada em 2001, reunindo cerca de 20 bordadeiras que costumavam bordar de forma independente. Ao se reunirem, começaram a lembrar os pontos que suas avós faziam, partilhando umas com as outras seus conhecimentos e suas memórias. Desse modo, reuniram uma coleção de mais de 50 pontos de bordado diferentes.

Inicialmente, as mulheres bordavam pontos turísticos de Brasília e depois de algumas oficinas de bordado e de criação de produtos, com a artesã Antônia Drummond, de Pirapora, Minas Gerais, e com o designer Renato Imbroisi, por meio do Sebrae-DF, elas passaram a se inspirar no bioma da região.

A formação de grupos de mulheres artesãs constitui uma rica experiência de grupos de trabalho, onde as artesãs constroem laços com outras mulheres, a partir de um saber-fazer que compartilham. Como a maior parte delas vêm de diferentes regiões do Brasil, suas experiências e conhecimentos se encontram com semelhanças e diferenças no modo de fazer, o que amplia o universo artesanal, cultural e social de cada uma.

 

Saiba mais:

Tese “De Bonecas, Flores e Bordados: Investigações Antropológicas no Campo do Artesanato em Brasília”, de Aline Sapiezinskas Kras Borges Canani.

Dissertação “E a história se fez cidade... ” : a construção histórica e historiográfica de Brasília, de Viviane Gome Ceballos.

Onde Comprar

Leite na Pista

Xapuri