Grupo Familiar Maria do Carmo dos Santos (Neguinha)

Localização Sitio Rodrigues –Zona Rural - Belo Jardim/PE - CEP 55159-89
Contatos AbrirFechar

Utilize o formulário abaixo para entrar em contato com este membro da Rede Artesol.

Enviando mensagem. Por favor aguarde.
Sua mensagem foi enviada! Aguarde o retorno do membro da rede contactado, ou fale com a Artesol.
Infelizmente ocorreu um erro no envio da sua mensagem. Por favor utilize uma das formas de contato abaixo.
E-mail janainaandressa169@gmail.com
Telefone (81) 99104-3465
Contato Neguinha / Janaina

Quem cria?

Pega o barro, peneira,
agua o barro, amassa.
Depois de macio, as mãos deslizam no barro
em busca de formas
que depois de criadas descansam.
Oito dias na sombra,
sem vento!
A espera prepara a carne barrosa para o forno cachimbo.
O fogo amadurece as formas
que ficam ainda mais formosas
com as lambidas do tauá.
Raquel Lara Rezende

Mestre Neguinha é Maria do Carmo dos Santos, nascida no barro, em 1961, em Belo Jardim, Pernambuco. Filha, neta e bisneta de louceiras, seu trabalho de tradição familiar transforma o barro nas mais variadas peças. Primeiro eram as panelas tradicionais, depois suas mãos brincando de criar formas chegaram nos tamanduás. Mais tarde, Neguinha começou a fazer Santos católicos, como São Francisco e Frei Damião, além de peças utilitárias e de decoração como travessas, galinhas, entre outros animais.

Cria o quê?


“O tamanduá, que é a que eu mais faço, surgiu pela vontade mesmo. No meu tempo, ninguém tinha como brincar. A brincadeira da gente era trabalhar. Era carregando lenha e barro na cabeça, viu? Era no roçado.” Neguinha.

Herança indígena, a louça de caboclo não faz uso do torno. O molde é dado pelas mãos que conhecem a textura e a plasticidade do barro e sabem guiá-lo de acordo com os desejos da imaginação. Depois de secas na sombra, são levadas para o forno onde ficam por mais ou menos três horas. Os desenhos são feitos com pena de galinha e as cores vêm da argila tauá. Cida Lima produz peças de decoração, como as cabeças, e de utensílio como panelas, travessas, pratos e potes.

Onde criam?


A região pertence à bacia hidrográfica do rio Capibaribe, em Pernambuco, um dos rios mais importantes do estado, e do rio Ipojuca. Belo Jardim integra a unidade geoambiental do Planalto da Borborema, com montanhas que chegam a mais de mil metros de altitude. Com uma vegetação tipicamente agreste, a caatinga assume seu reinado na paisagem sertaneja. Belo Jardim também é conhecida pela musicalidade, por gerar muitos musicistas, sendo chamada por alguns como a “Terra dos Músicos”. Além da música, a cidade se destaca pelo artesanato.

Entre 2006 e 2009, o projeto Estado de Arte, coordenado pela artista plástica Ana Veloso, atuou na cidade de Belo Jardim e de outras cidades da região do agreste central pernambucano, com o propósito de revitalizar a produção artesanal e estimular sua visibilidade. Cida Lima foi uma das artesãs que integrou o projeto e sua participação trouxe para ela retornos que estavam além das expectativas da artesã, hoje reconhecida pelo PAB como mestra do artesanato brasileiro.

Onde Comprar

Casa de Ana

Projeto Terra

Atelier na Rua