Cooperativa Artesanal Mista de Rio das Contas

Localização Rua Barão de Macaúbas 100 - Rio De Contas/BA - CEP 46170-000
Contatos AbrirFechar
Telefone (77) 98108-7358
Contato Vitória Neta do Nascimento Silva

As mãos que criam, criam o quê?

A técnica de bordado utilizada na produção de peças de vestuário, cama, mesa e banho pela Cooperativa Artesanal Mista de Rio das Contas carrega uma característica marcante; a rusticidade das tramas do tecido 100% algodão o diferenciam a ponto de ser conhecido nacional e internacionalmente como Crivo Rústico. 

O crivo, tipo de bordado de origem portuguesa, foi introduzida em Rio de Contas ainda no período colonial. Na época, usava-se muito linho, tecido mais fino e considerado nobre. Com a escassez do linho, as mulheres começaram a adaptar os tecidos de sacarias, que eram alvejados e preparados para o bordado. Com tramas mais abertas e linha mais grossa, o material proporcionou uma inovação no processo, hoje muito admirada. 

A produção consiste em desfiar o tecido formando padrões geométricos, espécie de grades. A linha retirada é utilizada nos bordados, que podem também ser feitos com linha de algodão manufaturadas. 

Quem cria?

A Cooperativa Artesanal Mista de Rio das Contas foi fundada em 1968 com o apoio  do SEBRAE e do Instituto de Artesanato Visconde de Mauá. Após questões internas que fragilizaram sua estrutura, a cooperativa esteve por alguns anos fechada, até retomar as atividades em 1994. 

De lá pra cá, as 15 artesãs responsáveis pela produção têxtil seguem na ativa, reunindo-se na sede 2 vezes por semana para produzirem juntas, discutirem questões pertinentes ao trabalho, e fortalecerem os laços comunitários. 

Participam das principais feiras de artesanato nacional todos os anos, comercializam na sede em Rio de Contas e em lojas de diversos estados. 

Onde criam

Com base na história oral que perpassa gerações, sabe-se que o município tem sua origem como povoado em meados do séc. XVII. A formação estaria ligada a africanos que sobreviveram ao naufrágio de um navio negreiro na região de Itacaré, que estabeleceram-se na região tendo o curso do Rio de Contas como guia. 

Era conhecido como Pouso dos Negros por ser um lugar de passagem, uma parada importante da rota dos viajantes vindos de Minas Gerais e Goiás que seguiam até os portos da Bahia para escoarem a produção decorrente da exploração aurífera. 

Em 1710, além de um fluxo acentuado no caminho conhecido como Estrada Real, foi encontrado ouro no Rio Brumado e assim o povoado foi invadido por garimpeiros e mineradores de vários lugares. 

Como todas as cidades que cresceram com a mineração, Rio de Contas desenvolveu-se e prosperou com a extração e teve seu declínio com o esgotamento das minas. Porém conserva desse período próspero sua rica arquitetura, tombada como patrimônio pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) e muitas das tradições e costumes dos povos que circulavam na região. 

Por essa profusão cultural, Rio de Contas é parada certa para aqueles que visitam a Chapada Diamantina. A cidade também guarda belos atrativos naturais, como cachoeiras e trilhas. Uma das mais visitadas é a que leva até o topo do ponto mais alto do Nordeste, o Pico do Barbado.

Localização
Técnica relacionada