Mestre Petrônio - José Petrônio Farias dos Anjos

Localização Ilha do Ferro - Pão De Acucar/AL - CEP 0000000
Contatos AbrirFechar
Telefone (82) 9601-3194
Contato José Petrônio Farias dos Anjos (os contatos devem ser feitos preferencialmente via whatsapp)

Quem cria?

José Petrônio Farias dos Anjos, o Mestre Petrônio, nascido e criado em Pão de Açúcar, já desde criança fabricava os próprios brinquedos, assim como os irmãos. Cresceu aprendendo os ofícios de pescador e de agricultor. Seu pai, já falecido, era fotógrafo e ele o acompanhou também muitas vezes para tirar fotos em eventos, como festas e cerimônias de casamento. Quando se casou, em 2001, surgiu a oportunidade de entrar em um assentamento do MST - Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. Decidiu então montar um barraco de lona em um acampamento, onde viveu por 7 anos. Quando conseguiu uma terra, ele já estava atuando como artesão e ele e a esposa decidiram voltar para Pão de Açúcar.

Hoje o acampamento já é um assentamento e reúne muitos artesãos que começaram a entalhar a madeira, inspirados nele. No início do ano de 2002, conheceu o mestre Fernando Rodrigues que acabou sendo o seu grande professor e incentivador. Seu Fernando lhe lançou o desafio de fazer um ex-voto (objetos entalhados usados por pessoas religiosas que fizeram promessa a um santo). Petrônio fez e mestre Fernando passou a comprar dele essas peças. 

Na época, seu Fernando pagava por uma peça o que Petrônio recebia por um dia de trabalho nas roças que o contratavam. 

“A minha primeira faquinha quem me deu foi seu Fernando, pra me incentivar a trabalhar”.

Aquele desafio aceito foi o primeiro passo de uma caminhada linda que Petrônio tem percorrido há 12 anos em encontro à sua arte. Uma das coisas mais importantes que o mestre Fernando lhe ensinou, segundo Petrônio, foi quando lhe disse: “você senta no pé de uma árvore, e fica olhando e se você for um artista você vai ver coisas”. Assim fez e segue fazendo, dedicando a sua vida à contemplação, à integração com a natureza ao seu redor; e suas peças comunicam isso. Hoje, seu filho Yang segue a inspiração que o pai lhe traz, se desenvolvendo cada dia mais na sua arte.

Além de artista, Petrônio segue atuando na pesca artesanal e hoje possui o seu tão almejado pedaço de terra, onde planta e faz mudas de Ipê, Mulungu, Angico Monjola e dá para as pessoas replantarem.

Ainda em 2002 foi convidado pela Secretário de Cultura da época para fazer a sua primeira exposição, em um evento de hotelaria. Em 2014, foi ganhador do prêmio Gustavo Leite, de melhor artesão do ano. Suas peças se encontram por todo o Brasil e no exterior, como Inglaterra, Itália, Alemanha, Portugal, entre outros países.

As mãos que criam, criam o que?

Mestre Petrônio seguiu o caminho do mestre Fernando, brincando com as formas que a própria natureza tem. Caminha pela mata com os olhos atentos. Olhos acostumados a ver muito além do que estamos acostumados a enxergar. “Eu amo andar no mato, sou bicho do mato, dos afluentes, falando com os animais. Quando eu estou trabalhando a mente está vazia”.

Na mata busca madeira morta, galhos, raízes e nelas vê animais, formas e seres que vão ganhando mais nitidez e vida em suas mãos. “É o processo da paciência. Não tenho ambição. É você chegar e olhar raiz velha, tronco. Às vezes acontece de você andar um dia inteiro na mata e não encontrar nada e tem dia que no seu quintal você encontra uma forma linda”.

Suas peças e esculturas são a materialização do seu fértil imaginário que contagia e impressiona quem vê. Imensos lagartos, formas retorcidas, criaturas mágicas que transportam para outro universo.

Onde cria?

A Ilha do Ferro é um pequeno vilarejo banhado pelo Rio São Francisco no sertão alagoano. Fica a 18 quilômetros do município de Pão de Açúcar e geralmente é acessado por barco, tendo em vista a precariedade da estrada. O cenário à beira-rio parece ter saído de um filme. Ainda há carros de boi, crianças brincando na rua, lavadeiras lavando suas roupas no  São Francisco, artistas entalhando a madeira, as mulheres que bordam sentadas na calçada e os inúmeros artistas populares, mestres e artesãos que entalham a madeira, criando as mais variadas formas e objetos.

A arte popular que hoje é um importante atrativo do lugarejo, foi semeada pelo falecido mestre Fernando Rodrigues que inspirou muitos, como Petrônio, a seguir o artesanato tradicional.