Associação de Artesanato Flor do Marajó - Aflomar

Localização Estrada Pedro Ferreira - Muana/PA - CEP 68825-000

As mãos que criam, criam o quê?

Ao observar uma palmeira do ubuçu, abundante nas regiões de várzea na Amazônia, a fibra que protege os frutos parece de pronto inspirar outros usos. Assim, por observação, aprende-se com a natureza; ela ensina que o tururi é resistente e impermeável, nós o colorimos, enfeitamos, bordamos e costuramos. A espécie de tecido natural é amplamente utilizada para armazenar e transportar alimentos e na produção artesanal de bolsas, chapéus e outros acessórios de moda. 

O processo de beneficiamento da fibra começa logo após a coleta, quando é lavada em água corrente para retirar qualquer impureza. Após a lavagem, o tururi é amaciado e passado a ferro a vapor. A cor natural é castanho escuro, mas a fibra pode ser tingida após um processo de descoloração. 

Com esse rico material de propriedades tão especiais são feitos os mais diversos produtos, como bolsas, carteiras, chapéus, brincos e colares. 

 

Quem cria?

A Associação de Artesanato Flor do  Marajó - Aflomar foi criada em 1995 e formalizou-se como associação em 2001. Em 2005 passou a integrar o programa Talentos do Brasil, desenvolvido pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário em parceria com o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - Sebrae. A partir daí as artesãs tiveram oportunidades de participar de feiras e eventos de moda, tendo seus produtos reconhecidos nacional e internacionalmente. 

Ao longo dos anos passaram por diversas capacitações, compreendendo formação de grupo, gestão e design. Hoje o grupo conta com sete artesãs que trabalham todos os dias na sede recém inaugurada em parceria com o governo do estado. Além da produção artesanal com a fibra de jupati, ampliaram as possibilidades, explorando técnicas de confecção de biojóias. 

 

Onde criam

O Marajó é o maior complexo de ilhas flúvio marítimas do mundo. Localizado na foz do Rio Amazonas, tem quase 50 mil quilômetros quadrados e abriga 12 municípios que são Santa Cruz do Arari, Afuá, Anajás, Breves (a capital da Ilha de Marajó), Cachoeira do Arari, Chaves, Curralinho, Muaná, Ponta de Pedras, Salvaterra, São Sebastião da Boa Vista e Soure. Sua paisagem encanta, com florestas, campinas, gramados, praias de rio, lagos de todos os tamanhos, furos e igarapés. São as águas que ditam os ritmos e caminhos cotidianos das ilhas.

Muaná, a chamada Flor do Marajó, tem quase 40 mil habitantes e recebe anualmente milhares de visitantes no conhecido Festival do Camarão.