Associação de Artesãos do Padre Cícero, Centro de Cultura Popular Mestre Noza

Localização Rua São Luís, 95. Antigo quartel, Centro - Juazeiro Do Norte/CE - CEP 63010-125
Contatos AbrirFechar

Utilize o formulário abaixo para entrar em contato com este membro da Rede Artesol.

Enviando mensagem. Por favor aguarde.
Sua mensagem foi enviada! Aguarde o retorno do membro da rede contactado, ou fale com a Artesol.
Infelizmente ocorreu um erro no envio da sua mensagem. Por favor utilize uma das formas de contato abaixo.
E-mail mestrenoza@gmail.com
Telefone (88) 3511-3133 / (88) 98829-3069
Contato Cícero Caetano Rodrigues (Zumbin)

As mãos que criam, criam o quê?

Barro, madeira, metal - matérias primas primeiras, de tão direto acesso - o chão fornece e o homem forja forma, imprime imaginário, inventa expressão. São vivas, dispostas ao encontro, quando ensinam modos e deixam-se moldar. 

Assim como na natureza, onde nem o mínimo grão é igual a outro, nenhuma obra replica por completo traços e formas. No domínio da técnica, as mãos expressam o que linguagem outra não seria capaz. São mundos imaginados encenados por milhares de obras expostas no Centro de Cultura Popular Mestre Noza, são gravuras, pinturas e esculturas dos mais variados tamanhos e estilos. 

Quem cria?

Juazeiro do Norte é o maior centro de peregrinação do nordeste brasileiro, fiéis que caminham centenas de quilômetros para agradecer graças alcançadas com a benção de Padre Cícero. Foi assim que Mestre Noza chegou ao coração do Cariri ainda no início do século XX, após percorrer mais de seiscentos quilômetros a pé vindo de Pernambuco, seu estado natal. Em 1930 Mestre Noza já era reconhecido por sua arte, especialmente xilogravuras e esculturas. Em 1965 teve algumas de suas impressões expostas e comercializadas em Paris. 

Em 1983, mesmo ano em que Noza faleceu aos 86 anos em São Paulo, foi inaugurada o Centro de Cultura Popular Mestre Noza, em homenagem àquele que inspirou tantos artistas da região. Isso se deu através de um projeto piloto de apoio ao artesão proposto pelo então Instituto Nacional do Folclore e o centro é administrado pela Associação dos Artesãos de Juazeiro do Norte.

A sede, que abriga hoje trabalhos de mais de 100 artistas e artesãos do Cariri, era um antigo prédio da Polícia Militar, que foi recuperado e reformado por iniciativa do então secretário municipal da cultura, Abraão Batista. Nas salas, corredores, galerias, são milhares de obras expostas e alguns dos artistas produzem no próprio local. 

Com apoio do governo do estado, a estrutura passou por uma reforma e o centro foi reinaugurado em 25 de julho de 2019. Além de espaço de comercialização, também é um centro de apoio aos associados. É admirável como modelo administrativo, uma vez que com um grupo que ultrapassa a centena de integrantes, as deliberações e decisões são discutidas em conjunto e a diretoria tem uma estrutura firme, o que garante à todos o acesso à oportunidades. A comercialização é feita de forma independente, cada artesão negocia direto com o comprador, mas de cada venda fica uma porcentagem do valor para manutenção do centro. Além disso, é um importante espaço de formação em técnicas de trabalho em madeira, barro e metal, principais materiais utilizados na casa.

Onde criam

A 490 quilômetros da capital Fortaleza, Juazeiro do Norte está localizado no coração do estado. A cidade mais importante do Cariri Cearense é considerada um dos três principais centros de religiosidade de matriz católica do país. Além disso, é um grande polo cultural, sendo o maior centro de artesanato e cordel do nordeste brasileiro. 

Juazeiro, árvore frutífera da vegetação predominante na região, dá nome ao município que antes da chegada de Padre Cícero, em 1872, era um povoado do Crato. O local ganhou relevância política ao ter legiões de fiéis peregrinos que lá chegavam após tomarem conhecimento do suposto milagre ocorrido em 1989, quando a hóstia ministrada à beata Maria de Araújo transformou-se em sangue através das mãos do padre. Ainda hoje a aura mística do religioso manifesta-se, sendo assim a Colina do Horto, onde está à estátua do Padre Cícero, medindo 25 metros de altura, o principal ponto de peregrinação do nordeste.