Vanusa da Silva Lima

Localização Rua Antimari, 166, bairro Portal da Amazonia - Rio Branco/AC - CEP 69915-874
Contatos AbrirFechar
E-mail institucional@artesol.org.br
Telefone (68) 99910-6214
Contato Vanusa da Silva Lima

Utilize o formulário abaixo para entrar em contato com este membro da Rede Artesol.

Enviando mensagem. Por favor aguarde.
Sua mensagem foi enviada! Aguarde o retorno do membro da rede contactado, ou fale com a Artesol.
Infelizmente ocorreu um erro no envio da sua mensagem. Por favor utilize uma das formas de contato abaixo.

Quem cria?

Vanusa da Silva Lima é de Cruzeiro do Sul, município acreano, e aprendeu com o esposo a arte da marchetaria, há 14 anos, quando seu filho nasceu. Antes disso, trabalhava com enfermagem, mas não teve vontade mais de voltar para a sua antiga profissão.

A marchetaria já chamava a sua atenção, mas como a enfermagem lhe exigia muita dedicação, não tinha tido oportunidade de investir seu tempo em aprender. Hoje, o artesanato é, além de sua fonte financeira, uma atividade que lhe proporciona bem-estar emocional.

O que cria?

A marchetaria é uma arte milenar que foi difundida no Brasil pelos jesuítas, no período da colonização. Trata-se de uma técnica de encaixar pedaços de madeira ou lâminas, como é o caso do trabalho realizado por Vanusa. 

Para a criação das peças, se inspira na fauna e na flora da região, ricas em diversidade. Trabalham com mais de 100 tipos de madeira da região, como morapiranga, roxinho, louro preto, amarelão, ipê, angelim. São madeiras de reaproveitamento que são colhidas por Vanusa e o esposo. Em algumas madeiras é feito tingimento com tinta xadrez. 

Onde cria?

Cruzeiro do Sul é é um dos polos turísticos e econômicos mais importantes do Acre. A história de todo o estado é marcada pelo ciclo da borracha e pelos conflitos políticos que culminaram com a criação do Acre Território, após o fim da revolução acreana. Somente em 1962 o Acre foi transformado em estado. Mas mesmo todos os difíceis processos pelos quais a região passou, toda a violência, principalmente contra as comunidades indígenas locais, a região segue marcada pela presença de mais de 15 etnias indígenas, como Kaxinawa, Arara, Jaminawa, Ashaninka, Madija, entre outros - sendo algumas aldeias isoladas.