Regina (Regina Lúcia Maia de Souza)

Localização Rua Sebastião Dantas, 295 Bairro Estação Experimental - Rio Branco/AC - CEP 69918-214
Contatos AbrirFechar
E-mail institucional@artesol.org.br
Telefone (68) 99908-3754
Contato Regina Souza

Utilize o formulário abaixo para entrar em contato com este membro da Rede Artesol.

Enviando mensagem. Por favor aguarde.
Sua mensagem foi enviada! Aguarde o retorno do membro da rede contactado, ou fale com a Artesol.
Infelizmente ocorreu um erro no envio da sua mensagem. Por favor utilize uma das formas de contato abaixo.

Quem cria?

Natural de Tarauacá, interior do Acre, Regina Lúcia Maia de Souza se mudou aos 14 anos para a capital, Rio Branco, para seguir os estudos. Desde pequena gostava de artesanato e se divertia fazendo crochê e tricô.

Em Rio Branco conheceu seu atual esposo, mineiro, e com ele se mudou para Belo Horizonte, onde viveram por 26 anos. Em terras mineiras trabalhou, principalmente, com cartonagem, fazendo caixas decoradas e para embalagem.

Há 4 anos retornou para Rio Branco, onde abriu com a irmã o Atelier “Arte Criativa”, com a proposta de criar a partir de materiais reciclados. Mas, após um curso que fizeram pelo Sebrae, colocaram o foco na madeira. Hoje, se dedicam especialmente à marchetaria de bloco.

Cria o que?

A marchetaria é uma arte milenar que foi difundida no Brasil pelos jesuítas, no período da colonização. Trata-se de uma tecnica de encaixar lâminas ou pedaços de madeira, como é o caso do trabalho realizado por Regina.

As tábuas de servir são sua principal peça e ganham diferentes formatos, desenhos e cores, nas mãos de Regina. As madeiras que utiliza são doadas por uma empresa de manejo florestal sustentável. Entre as mais utilizadas, estão o roxinho, o jatobá, a muiracatiara, o amarelão, angelim, a murapiranga, entre outras.

Onde cria?

“É importante valorizar o que temos no Norte, que nós temos ainda, graças a Deus: as palmeiras, a jarina, considerada o marfim vegetal, o tucumã, o diamante negro da Amazônia. Porque lá fora, ninguém conhece o Norte. Tem aquela brincadeira: O Acre existe? Então a gente conta um pouco das nossas palmeiras, divulga essa história.”

Tarauacá, onde Regina nasceu e viveu a infância, é conhecida como a terra do abacaxi grande, ananá. O município fica no interior do estado do estado do Acre, região cuja história é marcada pelo ciclo da borracha e pelos conflitos políticos que culminaram com a criação do Acre Território, após o fim da revolução acreana. Somente em 1962 o Acre foi transformado em estado. Mas mesmo todos os difíceis processos pelos quais a região passou, toda a violência, principalmente contra as comunidades indígenas locais, a região segue marcada pela presença de mais de 15 etnias indígenas, como Kaxinawa, Arara, Jaminawa, Ashaninka, Madija, entre outros - sendo algumas aldeias isoladas. 

A diversidade se faz presente também na vegetação, pertencente ao bioma amazônico. Inúmeras palmeiras, árvores, sementes, aves, felinos, entre outros animais, colorem a região e inspiram a imaginação dos artistas e artesãos que podem unir a sabedoria e o conhecimento populares com as belezas vivas da floresta.

Diante de um processo de desmatamento que tem arrasado com a biodiversidade de tantas regiões brasileiras, o Acre parece um oásis. Mas, talvez por se tratar de um estado recente, ainda marcado pelos conflitos do passado, há pouca consciência da importância, da riqueza e da beleza da região.